07 maio 2008

Números do horror

17 mulheres mortas, só em 2008.
Vítimas de violência «passional», cometida pelos namorados, maridos ou ex-qualquer coisa, com um aumento significativo de vítimas nas camadas etárias mais jovens (20-25 anos). Estes dados foram noticiados pelas cadeias de televisão ontem e vêm reportados no Público (edição impressa) e no JN, quando a Assembleia da República debate a violência doméstica e a eficácia das leis.
Li no JN um pedaço deste horror: um homem da zona de Coimbra foi constituído arguído por se suspeitar que terá matado a namorada, tendo em seguida simulado um incêndio no seu automóvel, e indo para casa dormir, enquanto ela lá ficava, a arder.
Em que espécie de país de bárbaros costumes vivemos nós?

4 comentários:

Pedro disse...

Olha que estes acontecimentos nao teem nada a ver com um "pais de barbaros costumes". Ha' bem pior, sim, dentro da Europa. Doidos ha' em todo o lado infelizmente... :-(

tatoia disse...

diz antes: em que espécie de Planeta!... :/

mas lembra-te sempre que este mundo (assim como Portugal) também tem muito boas pessoas! :)

vejo ainda melhor agora, que os portugueses são um povo que reflecte muito tempo e muito mais sobre o que está mal do que sobre o que vai bem. temos que ser mais positivos! ;)

beijocas!!

Borboleta disse...

tatoia, será preciso reflectir sobre o que vai bem? não sei. sobre o que vai bem nem pensamos muito, porque «em equipa que ganha não se mexe» :) o que vai bem é fruto do bom trabalho, do esforço, da dedicação, das boas práticas. deve ser divulgado, mas não é necessariamente objecto de reflexão. é sobre o que vai mal que precisamos de pensar, para corrigir coisas erradas...

tatoia disse...

:) e com que estado de espirito acreditas que se consegue corrigir o que vai mal?

;)